Posts

Flotilha 426 dá show em Florianópolis e comemora bom momento

O ano de 2013 foi especial para os velejadores da classe Snipe. A Flotilha 426 se reergueu, novos barcos chegaram ao clube e a equipe recebeu novos integrantes. Tudo isto ajudou o nosso time a colher excelentes resultados no Estadual e no Sul Brasileiro. Mas os principais desafios estavam reservados mesmo para 2014, mais especificamente para o 65º Campeonato Brasileiro, em Florianópolis, e para o 36º Sul-Americano, em Porto Alegre.

Sediado Iate Clube de Santa Catarina – Veleiros da Ilha, o Brasileiro aconteceu entre os dias 31 de janeiro e 7 de fevereiro. Na raia da praia de Jurerê, 61 duplas lutaram pelas melhores colocações. Uma disputa difícil, complicada, sem espaços para erros e que envolvia competidores de clubes náuticos do Rio Grande do Sul, de Santa Catarina, do Paraná, de São Paulo, do Rio de Janeiro, do Espírito Santo, da Bahia, do Distrito Federal e ainda da Argentina, do Peru e da Bélgica. Lá estavam campeões mundiais, pan-americanos e brasileiros. Velejadores de várias idades, ídolos de várias gerações.

Mas lá também estavam sete duplas do Jangadeiros. Entre elas, Alexandre Paradeda e Gabriel Kieling, o Bolinha. Vice-campeões no Brasileiro de 2010, disputado na mesma raia de Jurerê, eles queriam escrever uma história diferente desta vez. E foi exatamente o que Xandi e Bolinha fizeram. Sem dar chances para os adversários, os velejadores formados na Escola de Vela Barra Limpa lideraram o campeonato do início ao fim. Mostraram que estão em grande forma e que não será fácil vence-los em abril, no 36º Sul-Americano, que será sediado pelo Jangadeiros. “O resultado foi muito bom. Eu e o Xandi estamos muitos felizes”, comemorou Bolinha. “O evento foi perfeito, a raia aqui é muito boa, com ótimas condições. Vale ressaltar também o excelente campeonato da dupla da Bahia. Eles são o futuro da categoria e mostraram isso aqui”, emendou Xandi, elogiando os vice-campeões, Mateus Tavares e Jonathan Lerhke, do Yatch Clube da Bahia.

Quem também mostrou que está em grande forma foi Roberto Paradeda, o irmão mais novo de Xandi. Competindo ao lado de Antônio Rosa, o Totó, ele fez um grande campeonato, terminando em 6º lugar. Mesmo sem muito tempo para treinar, a dupla comprovou que talento não falta e que estará na briga pelas melhores colocações no Sul-Americano.

Já na categoria Junior, ninguém foi melhor que Lucas Mazim e Philipp Grochtmann. Os jovens velejadores repetiram o resultado do Sul Brasileiro e voltaram pra casa com mais uma taça. O primeiro lugar Junior é a recompensa pelo esforço de uma dupla que dá duro e alia o talento inegável à dedicação aos treinos.

Outra tripulação que não pode ser esquecida é a formada por Hilton Piccolo e Bruno Gauer. Campeão Sul-Americano em 1987, Hilton voltou com tudo à classe Snipe e mostra-se um dos mais empolgados integrantes da Flotilha 426. “Foi um recomeço, após 18 anos afastado da classe. O último Brasileiro foi justamente em Jurerê, e com o mesmo proeiro, o Bruno Gauer. Recomeço difícil, apesar do vice-campeonato Máster. Agora é treinar para o Sul Americano”, comentou o veterano timoneiro, que não deixou de enaltecer o excelente trabalho do Capitão da Flotilha 426, Alexandre Paradeda. “O desempenho da Flotilha 426 é resultado da dedicação e do trabalho realizado pelo Xandi. Disputamos o campeonato em categorias (Geral, Junior e Máster) e subimos ao pódio nas três”, concluiu.

.

Veja como foram as sete duplas da Flotilha 426 no 65º Campeonato Brasileiro da classe Snipe:

01º Alexandre Paradeda/Gabriel Kieling – 28 pp (Campeões Geral).

06º Roberto Paradeda/Antonio Cavalcanti – 70 pp.

22º Lucas Mazim/Philipp Grochtmann – 147 pp (Campeões na categoria Junior).

34º Fernando Kessler/Vicente Ducati – 220 pp.

43º Martin Rump/Rodolfo Streibel – 282 pp.

50º Hilton Piccolo/Bruno Gauer – 348 pp (Vice-campeões na categoria Máster).

51º Rodrigo Fasolo/Guilherme Fasolo – 373 pp.

.

Súmula completa da competição:

1425506_205767346298060_1709382212_n

Fotos dos velejadores do Jangadeiros na raia de Jurerê:

 

Xandi e Bolinha vencem o 65º Campeonato Brasileiro de Snipe

Dono de uma das trajetórias mais vitoriosas da vela brasileira, o gaúcho Alexandre Paradeda adicionou mais uma conquista ao seu impressionante currículo. Competindo ao lado de Gabriel “Bolinha” Kieling, o velejador do Clube dos Jangadeiros venceu, de ponta à ponta, o 65º Campeonato Brasileiro da classe Snipe, realizado na praia de Jurerê, em Florianópolis, entre os dias 2 e 7 de fevereiro. A competição foi organizada pelo Iate Clube de Santa Catarina e contou com a participação de 61 tripulações. As duplas representaram clubes náuticos do Rio Grande do Sul, de Santa Catarina, do Paraná, de São Paulo, do Rio de Janeiro, do Espírito Santo, da Bahia, do Distrito Federal e ainda da Argentina, do Peru e da Bélgica.  “O evento foi perfeito, a raia aqui é muito boa, com ótimas condições. Vale ressaltar também o excelente campeonato da dupla da Bahia. Eles são o futuro da categoria e mostraram isso aqui”, declarou Paradeda, elogiando os vice-campeões, Mateus Tavares e Jonathan Lerhke, do Yatch Clube da Bahia. Comemorando seu segundo título nacional, Gabriel Kieling estava bem eufórico com o resultado e com tudo que aconteceu durante a semana. “Fizemos uma campanha muito boa. O campeonato foi perfeito. Aqui é um lugar incrível, um dos melhores que já velejei no mundo. A água é quente e os ventos são excelentes”, enfatizou.

Este foi o nono campeonato brasileiro da classe Snipe conquistado por Paradeda; o segundo em parceira com Bolinha. Campeão mundial em 2001, ao lado do primo Eduardo Paradeda, o vitorioso atleta do Jangadeiros também possui duas medalhas pan-americanas (prata em 1999 e ouro em 2007), títulos sul-americanos, sul brasileiros e estaduais. O currículo do velejador porto-alegrense inclui ainda duas participações olímpicas (Sidney/2000 e Atenas/2004), ambas na classe 470, na qual Paradeda também venceu cinco vezes o campeonato sul-americano e nove vezes o campeonato brasileiro.

Além de Paradeda e Bolinha, outra dupla gaúcha integrou o top 10 da competição. Representando Jangadeiros e Veleiros do Sul, respectivamente, Roberto Paradeda (irmão de Alexandre) e Antonio Rosa terminaram em sexto lugar, com direito a vitória na primeira regata desta sexta-feira.

.

Os dez primeiros colocados do 65º Brasileiro de Snipe:

1º Alexandre Paradeda / Gabriel Kieling (RS) – 28 pontos perdidos

2º Matheus Tavares / Jonathan Lehrke  (BA) – 34pp

3º Mario Urban / Daniel Seixas (BA) – 59pp

4º Alexandre Tinoco / Matheus Gonçalves (RJ) – 63pp

5º Rafael Gagliotti / Henrique Wisniewiski (SP) – 64pp

6º Roberto Paradeda / Antonio Rosa (RS) – 70pp

7º Jose Monteiro / Ronyon Silva (SP) – 77pp

8º Mario Jesus Jr / Anderson Barndão (SP) – 79pp

9º Felipe Linhares / Marcelo Lopes (SC) – 80pp

10º Augusto Amato / Constanza Alvarez (ARG) – 84 pp

.

As duplas do Clube dos Jangadeiros:

01º Alexandre Paradeda/Gabriel Kieling – 28 pp

06º Roberto Paradeda/Antonio Cavalcanti – 70 pp

22º Lucas Mazim/Philipp Grochtmann – 147 pp

34º Fernando Kessler/Vicente Ducati – 220 pp

43º Martin Rump/Rodolfo Streibel – 282 pp

50º Hilton Piccolo/Bruno Gauer – 348 pp

51º Rodrigo Fasolo/Guilherme Fasolo – 373 pp

.

Foto: Iate Clube de Santa Catarina/Divulgação.

 

Xandi e Bolinha podem conquistar título brasileiro nesta sexta

O penúltimo dia de regatas do 65º Campeonato Brasileiro de Snipe deixou completamente aberta a briga pelo título. A competição vem sendo disputada desde a última segunda-feira, 3 de fevereiro, em Florianópolis, Santa Catarina, e é liderada desde o início pelos gaúchos Alexandre Paradeda e Gabriel “Bolinha” Kieling, do Clube dos Jangadeiros. Os velejadores porto-alegrenses competem juntos desde 2008 e são os atuais campeões estaduais e sul brasileiros da classe, além do recente bronze no Campeonato Mundial realizado em setembro passado, no Rio de Janeiro. A dupla tem no currículo ainda os títulos brasileiro (Porto Alegre/2011) e sul-americano (Punta del Este/2009) e o vice-campeonato mundial (Dinamarca/2011).

Nesta quinta-feira, 6 de fevereiro, Paradeda e Bolinha foram para a água com uma vantagem de 19 pontos sobre os segundos colocados. Após um 27º lugar na primeira regata do dia e de uma vitória na segunda, a diferença caiu para apenas seis. Os responsáveis por colocar fogo na reta final do campeonato foram os baianos Matheus Tavares e Jonathan Lehrke, que conseguiram excelentes resultados hoje (1º e 2º), alcançado a marca de 24 pontos perdidos contra 18 dos gaúchos. Correm por fora os paulistas Rafael Gagliotti e Henrique Wisniewiski, na terceira colocação, com 39.

Organizado pelo Iate Clube de Santa Catarina, o 65º Brasileiro da classe e Snipe reúne 61 tripulações, que representam clubes náuticos do Rio Grande do Sul, de Santa Catarina, do Paraná, de São Paulo, do Rio de Janeiro, do Espírito Santo, da Bahia, do Distrito Federal e ainda da Argentina, do Peru e da Bélgica. Após a disputa da oitava regata, as duplas passaram a somar apenas os seis melhores resultados, descartando os dois piores. A decisão do 65º Brasileira da classe Snipe acontece nesta sexta-feira, 7 de fevereiro, em Jurerê.

.

Os dez primeiros colocados:

1º Alexandre Paradeda / Gabriel Kieling (RS) – 1+1+7+1+7+(30)+(27)+1 = 18pp

2º Matheus Tavares / Jonathan Lehrke (BA) – 2+3+13+3+(16)+(20)+1+2 = 24pp

3º Rafael Gagliotti / Henrique Wisniewiski (SP) – 8+(13)+12+4+5+7+(33)+3 = 39pp

4º Alexandre Tinoco / Matheus Gonçalves (RJ) – (20)+15+2+(22)+11+5+2+7 = 42pp

5º Jose Monteiro / Ronyon Silva (SP) – 7+21+4+2+6+(28)+4+(26) = 44pp

6º Mario Urban / Daniel Seixas (BA) – (15)+7+11+9+9+(22)+7+4 = 47pp

7º Augusto Amato / Constanza Alvarez (ARG) – (17)+9+9+8+13+(46)+5+11 = 55pp

8º Mario Jesus Jr / Anderson Barndão (SP) – (31)+4+15+16+4+1+(23)+20 = 60pp

9º Adriano Santos / Christian Franzen (SC) – 13+(35)+5+11+10+(62)+11+15 = 65pp

10º Roberto Paradeda / Antonio Rosa (RS) – 5+2+(62)+26+(31)+10+13+10 = 66pp

.

As duplas do Clube dos Jangadeiros:

 

01º Alexandre Paradeda/Gabriel Kieling

1+1+7+1+7+(30)+(27)+1 = 17 pp

 

10º Roberto Paradeda/Antonio Cavalcanti

5+2+(62 OCS)+(26)+32+10+13+10 = 66 pp

 

25º Lucas Mazim/Philipp Grochtmann

25+(36)+34+10+30+12+(62 OCS)+8 = 118 pp

 

34º Fernando Kessler/Vicente Ducati

22+37+23+(47)+27+(49)+22+33 = 163 pp

 

42º Martin Rump/Rodolfo Streibel

(46)+33+(45)+41+42+32+31+36 = 204 pp

 

48º Hilton Piccolo/Bruno Gauer

37+38+43+42+(54)+50+51+46 = 256 pp

 

52º Rodrigo Fasolo/Guilherme Fasolo

47+(53)+47+45+45+48+46+(62 DNC) = 277 pp

12106_719680958050589_1407514390_n

Foto: Fred Hoffmann/Arquivo.

Xandi e Bolinha mantêm a liderança em dia complicado

Os resultados obtidos nesta quarta-feira, 5 de fevereiro, pelos velejadores Alexandre Paradeda e Gabriel “Bolinha” Kieling nas regatas do 65º Campeonato Brasileiro da classe Snipe não foram bons (7º e 30º). Mesmo assim, a dupla do Jangadeiros aumentou a vantagem sobre os segundos colocados, hoje Rafael Gagliotti e Henrique Wisniewiski, que deixaram para trás os baianos Matheus Tavares e Jonathan Lehrke e os paulistas José Monteiro e Ronyon Silva. A diferença é de 19 pontos. “Hoje, mais uma vez, as condições estavam muito boas, talvez com um pouco mais de vento. Na segunda regata do dia, tivemos um problema na hora de montar a boia e fomos parar lá atrás”, conta Bolinha, sem perder a confiança: “Amanhã vai ser melhor”.

Organizado pelo Iate Clube de Santa Catarina – Veleiros da Ilha, o 65º Brasileiro de Snipe reúne 61 tripulações, que representam clubes náuticos do Rio Grande do Sul, de Santa Catarina, do Paraná, de São Paulo, do Rio de Janeiro, do Espírito Santo, da Bahia, do Distrito Federal e ainda da Argentina, do Peru e da Bélgica. Após seis regatas, as duplas passaram a somar os cinco melhores resultados, descartando a pior campanha até o momento. Veja quem são os dez primeiros colocados da competição e como estão os representantes do Jangadeiros:

.

Os dez primeiros

1º Alexandre Paradeda / Gabriel Kieling (RS) – 1+1+7+1+7+(30) = 17 pp

2º Rafael Gagliotti / Henrique Wisniewiski (SP) – 8+(13)+12+4+5+7 = 36pp

3º Matheus Tavares / Jonathan Lehrke (BA) – 2+3+13+3+17+(20) = 38pp

4º Mario Jesus Jr / Anderson Barndão (SP) – (31)+4+15+16+4+1 = 40pp

5º Jose Monteiro / Ronyon Silva (SP) – 7+21+4+2+6+(28) = 40pp

6º Mario Urban / Daniel Seixas (BA) – 15+7+11+9+9+(22) = 51pp

7º Alexandre Tinoco / Matheus Gonçalves (RJ) – 20+15+2+(22)+11+5 = 53pp

8º Alex Juk / Piero Furlan (SC) – 11+(40)+1+14+20+9 = 55pp

9º Augusto Amato / Constanza Alvarez (ARG) – 17+9+9+8+13+(46) = 56pp

10º Ricardo Barbosa / Gustavo Queiroz (SP) – 6+19+(51)+7+19+13 = 64pp

.

A Flotilha 426

01º Alexandre Paradeda/Gabriel Kieling – 1+1+7+1+7+(30) = 17 pp

16º Roberto Paradeda/Antonio Cavalcanti – 5+ 2+(62 OCS)+26+32+10 = 75 pp

24º Lucas Mazim/Philipp Grochtmann – 25+(36)+34+10+30+12 = 111 pp

37º Fernando Kessler/Vicente Ducati – 22+37+23+47+27+(49) = 156 pp

45º Martin Rump/Rodolfo Streibel – (46)+33+45+41+42+32 = 193 pp

48º Hilton Piccolo/Bruno Gauer – 37+38+43+42+(54)+50 = 210 pp

52º Rodrigo Fasolo/Guilherme Fasolo – 47+(53)+47+45+45+48 = 232 pp

.

Foto: Iate Clube de Santa Catarina/Divulgação.

Xandi Paradeda e Bolinha seguem na liderança

Com mais uma vitória nesta terça-feira, 4 de fevereiro, os velejadores Alexandre Paradeda e Gabriel Kieling seguem na liderança do 65º Campeonato Brasileiro da classe Snipe, que está sendo realizado em Florianópolis, Santa Catarina. A dupla do Jangadeiros tem agora três primeiros lugares e um 7º, somando 10 pontos perdidos. A vantagem sobre os baianos Matheus Tavares e Jonathan Lehrke, do Yatch Clube da Bahia, que aparecem em segundo lugar, é de 11 pontos. O terceiro lugar é dos paulistas José Monteiro e Ronyon Silva.

Organizado pelo Iate Clube de Santa Catarina – Veleiros da Ilha, o 65º Brasileiro de Snipe reúne 61 duplas, que representam clubes náuticos do Rio Grande do Sul, de Santa Catarina, do Paraná, de São Paulo, do Rio de Janeiro, do Espírito Santo, da Bahia, do Distrito Federal e ainda da Argentina, do Peru e da Bélgica.Veja quem são os dez primeiros colocados da competição e como estão os nossos representantes, após a disputa de quatro das dez regatas programadas:

.

Os dez primeiros

1º – Alexandre Paradeda/Gabriel Kieling (RS) – 1+1+7+1 = 10 pontos perdidos

2º – Matheus Tavares/Jonathan Lerhke (BA) – 2+3+13+3 = 21 pp

3º – Jose Monteiro/Ronyon Silva (SP) – 7+21+4+2 = 34 pp

4º – Rafael Gagliotti/Henrique Wisniewiski (SP) – 8+13+12+4 = 37pp

5º – Mario Urban/Daniel Seixas (BA) – 15+7+11+9 = 42 pp

6º – Augusto Amato/Constanza Alvarez (ARG) – 17+9+9+8 = 43pp

7º – Juliana Duque/Marcus Cunha (BA) – 9+11+14+15 = 49pp

8º – Felipe Sabino/Victor Sabino (RJ) – 14+8+18+19 = 59pp

9º – Alexandre Tinoco/Matheus Gonçalves (RJ) – 20+15+2+22 = 59pp

10º- Rafael Martins/Mila Beckerath (BA) – 12+16+27+5 = 60 pp

.

A Flotilha 426

01º Alexandre Paradeda/Gabriel Kieling – 1+1+7+1 = 10 pontos perdidos

23º Roberto Paradeda/Antonio Cavalcanti – 5 + 2 + 62 (OCS) + 26 = 95 pp

27º Lucas Mazim/Philipp Grochtmann – 25 + 36 + 34 + 10 = 105 pp

35º Fernando Kessler/Vicente Ducati – 22 + 37 + 23 + 47 = 129 pp

42º Hilton Piccolo/Bruno Gauer – 37 + 38 + 43 + 42 = 160 pp

45º Martin Rump/Rodolfo Streibel – 46 + 33 + 45 + 41 = 165 pp

50º Rodrigo Fasolo/Guilherme Fasolo – 47 + 53 + 47 + 45 = 192 pp

Xandi Paradeda e Bolinha largam na liderança em Florianópolis

Os velejadores da Flotilha 426 estrearam muito bem no 65º Campeonato Brasileiro da classe Snipe, que acontece em Florianópolis, Santa Catarina, entre 3 e 7 de fevereiro. No primeiro dia de provas da competição, Alexandre Paradeda e Gabriel Kieling (foto) venceram as duas regatas disputadas e lideram com três pontos de vantagem sobre os baianos Matheus Tavares e Jonathan Lehrke, do Yatch Clube da Bahia. Em terceiro lugar, mais uma tripulação gaúcha: Roberto Paradeda (irmão mais novo de Alexandre) e Antonio Rosa. A dupla representa o Jangadeiros e o Veleiros do Sul.

Organizado pelo Iate Clube de Santa Catarina – Veleiros da Ilha, o 65º Brasileiro de Snipe reúne mais de 120 competidores, distribuídos em 61 tripulações. Os velejadores representam clubes náuticos de sete estados brasileiros, do Distrito Federal e ainda Argentina, Peru e Bélgica. Competem pelo Jangadeiros: Alexandre Paradeda/Gabriel Kieling, Hilton Piccolo/Bruno Gauer, Fernando Kessler/Vicente Ducati, Lucas Mazim/Philipp Grochtmann, Martin Rump/Rodolfo Streibel, Rodrigo Fasolo/Guilherme Fasolo e Roberto Paradeda/Antonio Cavalcanti. Veja como está o desempenho das nossas duplas:

01º Alexandre Paradeda/Gabriel Kieling (1, 1 – 2 pp)
03º Roberto Paradeda/Antonio Cavalcanti (5, 2 – 7 pp)
31º Fernando Kessler/Vicente Ducati (22, 37 – 59 pp)
33º Lucas Mazim/Philipp Grochtmann (25, 36 – 61 pp)
39º Hilton Piccolo/Bruno Gauer (37, 38 – 75 pp)
40º Martin Rump/Rodolfo Streibel (46, 33 – 79 pp)
50º Rodrigo Fasolo/Guilherme Fasolo (47, 53 – 100 pp)
.
Foto: Fred Hoffmann/Arquivo.

Dedá também representará o clube em Florianópolis

O Jangadeiros não estará representado apenas por velejadores no 65º Campeonato Brasileiro da classe Snipe. Além das sete duplas que disputarão regatas a partir do próximo domingo, 2 de fevereiro, em Florianópolis, Carlos Henrique De Lorenzi, o Dedá, marcará presença no evento, atuando como juiz de protesto. Ele também exercerá a mesma função durante o Circuito Oceânico de Santa Catarina, que será realizado pelo Iate Clube de Santa Catarina – Veleiros da Ilha, entre os dias 8 e 11 de fevereiro.

Sócio benemérito, laureado e integrante vitalício do Conselho Deliberativo, Dedá tem uma vida inteira dedicada à vela. Primeiro como velejador, quando conquistou os títulos brasileiro, pan-americano e mundial da classe Snipe, em 1967, ao lado do também sócio benemérito Nelson Piccolo; depois, atuando em Comissões de Regatas e Comissões de Protestos. “Eu velejava em uma época em que a vela era muito mais amadora do que é hoje”, conta, ressaltando que a profissionalização do esporte o conduziu para outros rumos. “Comecei a atuar em comissões de regatas em 1980, no Mundial de 470 que foi sediado pelo Jangadeiros. De lá pra cá, estudei bastante as regras, esclareci dúvidas com especialistas como Nelson Ilha e  Ricardo Navarro e, assim, consegui trabalhar em mais de 100 competições, atuando em mais de 10 estados brasileiros”, revela o associado de 71 anos.

O impressionante currículo inclui ainda alguns campeonatos mundiais e também os Jogos Pan-Americanos de 2007. “Trabalhei em eventos de quase todas as classes de monotipos. Alguns bem difíceis, como os brasileiros de Laser e de Optimist, que concentram um grande número de competidores na raia”, enfatiza, e ensina, em seguida: “O importante é que eu faço o que gosto”.

Flotilha 426 está pronta para o Campeonato Brasileiro de Snipe

Os integrantes da Flotilha 426 aproveitaram o fim da tarde desta quarta-feira, 29 de janeiro, para terminar de arrumar os barcos e o material para o 65º Campeonato Brasileiro da classe Snipe. Nesta quinta, a equipe viajará para Florianópolis, Santa Catarina, onde a competição será realizada. O evento terá como sede o Iate Clube de Santa Catarina – Veleiros da Ilha e deverá reunir mais de 50 tripulações, entre os dias 31 de janeiro e 7 de fevereiro. Sete duplas representarão o Jangadeiros em águas catarinenses: Alexandre Paradeda/Gabriel Kieling, Hilton Piccolo/Bruno Gauer, Fernando Kessler/Vicente Ducati, Lucas Mazim/Philipp Grochtmann, Martin Rump/Rodolfo Streibel, Rodrigo Fasolo/Guilherme Fasolo e Roberto Paradeda/Antonio Cavalcanti.

As regatas começam no próximo domingo, dia 2 de fevereiro, com a realização da Regata Fernando Avelar (Abertura).

Flotilha 426 se prepara para o Campeonato Brasileiro

A renovada Flotilha 426 vem aproveitando os últimos dias para se preparar para o 65º Campeonato Brasileiro da classe Snipe, que acontecerá entre os 31 de janeiro e 7 de fevereiro, em Florianópolis. O evento será sediado pelo Iate Clube de Santa Catarina – Veleiros da Ilha e deverá reunir mais de 50 tripulações. Entre as duplas do Jangadeiros que já confirmaram presença estão: Alexandre Paradeda/Gabriel Kieling, Hilton Piccolo/Bruno Gauer, Fernando Kessler/Vicente Ducati, Lucas Mazim/Philipp Grochtmann (CDJ/VDS), Rodrigo Fasolo/Guilherme Fasolo e Roberto Paradeda/Antonio Cavalcanti.

Outro velejador do clube interessado em participar da competição é Luiz Antonio Serrano, que ainda não tem um proeiro definido. “Estou à procura de um proeiro para competir e de uma carreta para levar o barco. A reserva do hotel já está ok”, comentou o associado.