Posts

Sócio do Clube dos Jangadeiros e piloto da LATAM, Cristian Yanzer, dará palestra sobre meteorologia nesta quarta-feira (19)

O tempo é um fator decisivo na vela. Antecipar as suas condições metereológicas é fundamental ao se preparar para uma boa navegada.  Em palestra na próxima quarta-feira (19), às 19h, no restaurante da Ilha, o sócio Cristian Yanzer, piloto de aviação da LATAM  e comandante do barco Thesaurus, vai dar dicas de conceitos básicos como  sistemas de pressão, ventos, nuvens, frentes, previsão  de  curto e médio prazo e utilização de aplicativos meteorológicos disponíveis em tablets e smartphones. O evento faz parte da programação da Diretoria de Cruzeiro do Clube dos Jangadeiros.

“A aviação tem muito em comum com a vela. Creio poder ajudar os amigos a tornar mais seguras as suas navegadas”, diz Cristian.

Integração e companheirismo marcaram o 1º Cruzeiraço de 2017

Ao todo, 23 embarcações participaram do evento organizado pela Direção de Cruzeiro.

O sol ainda nem acabara de nascer e a movimentação rumo ao Arado, para o 1º Cruzeiraço do ano, já começava. Primeiro foi a equipe de apoio. Por volta das 7h, os funcionários do CDJ já preparavam o terreno para receber os associados da melhor maneira – leia-se um churrasco de alta qualidade.

Na sequência, o Diretor de Cruzeiro, Henrique Freitas, a bordo do Uruguaiana II, também já rumava ao destino da viagem. E, aos poucos, no horizonte, os pontinhos brancos iam se transformando em imponentes embarcações e delas saíam tripulantes, que não faziam questão alguma de disfarçar a alegria de estar entre os amigos.

Brindes foram entregues aos primeiros barcos que chegaram ao Arado, mas parecia que a premiação maior era contemplar a vista e aproveitar a companhia dos vizinhos de trapiche. O sócioCristian Yanzer, um dos fita azul do 1º Cruzeiraço tentou descrever um pouco do sentimento que parecia comum a todos naqueles dois primeiros dias de Abril.

“Foi um evento muito legal, indescritível. Ter estado na presença de mais de 20 amigos, fazendo o que a gente gosta foi demais! E as condições de tempo também foram muito boas, mais de 20 nós de vento. Eu sou só elogios a este e todos os eventos que a Diretoria de Cruzeiro tem feito. Que venham os próximos!”.

Difícil detalhar em palavras como foi o encontro desses amantes da vela, que tem no esporte uma verdadeira adoração. Só quem esteve no Arado pode se aventurar a buscar adjetivos para o Cruzeiraço. Se você não pode ir nesse, não perca o próximo, que acontece nos dias 29 e 30 de abril em Itapuã.

Cristian Yanzer (dir.) recebe premiação de fita azul do 1º Cruzeiraço

Cristian Yanzer (dir.) recebe premiação de fita azul do 1º Cruzeiraço

 

Diretor de Cruzeiro, Henrique Freitas: “Brechó Congresso Náutico foi um sucesso! Associados se mostraram bastante interessados nas palestras e toda a integração foi muito proveitosa”.

Uma bela oportunidade de confraternização e, sobretudo, de aprendizado. Foi assim que o Brechó Congresso Náutico, realizado no último sábado (25), pode ser definido. Cerca de 60 associados puderam aproveitar nove estandes com produtos à venda, quatro palestras-debate sobre assuntos variados (combate a incêndio, motores, primeiros socorros e aparelhos eletrônicos) e um delicioso carreteiro de almoço.

Em um dos painéis da noite, o sócio João Pedro Wolff falou sobre o funcionamento dos motores nos veleiros. Ele também deu dicas de cuidado e manutenção para cada tipo de motor.

“Através de vídeos e a demonstração de um motor desmontado, tentei explicar um pouco sobre os diferentes tipos de propulsão existentes (motores diesel, motores de 2 tempos e motores de quatro tempos). Foquei bastante nas diferenças de comportamento das curvas de torque e consumo dos motores Yanmar e o cuidado necessário para determinar os hélices em função da rotação ideal do motor e a velocidade de casco das embarcações”, resume.

Outro sócio que participou da roda de conversas foi João Daniel Nunes. Ele tratou sobre a importância da proteção contra incêndios nas embarcações. O engenheiro especialista em segurança no trabalho destacou como os extintores devem ser administrados em seus barcos.

“Cada veleiro deve ter no mínimo dois extintores adequados para fogos de classe B (líquidos inflamáveis). O ideal é que eles sejam de pó químico, pois são mais eficientes na comparação com os de gás carbônico. Por fim, sugiro que os aparelhos devem ser instalados em local de fácil acesso, junto ao paiol de popa e na entrada da gaiuta, por exemplo”, finaliza.