Posts

Janga conquista a liderança em três classes da Abertura da Temporada da FEVERS de Monotipos neste final de semana

Na classe 29er, o Jangadeiros ficou com os três primeiros lugares: Vitor e Ian Paim (1°), Lorenzo Bernd e João Luca Moré (2°), Giovanne Pistorello e Gabriel Simões (3°).

Na classe Snipe, o parabéns é para a dupla Fernando Kessler e André Becker.

Na Laser Radial Sub19, cumprimentos ao atleta João Emílio Vasconcellos.

Na Laser Standard, o 1° lugar é de Philipp Grochtmann, do Veleiros do Sul.

E na 420, a liderança do Feminino ficou com Letícia da Silva e Joana Vilas Boas, do Veleiros.

Fernanda e Ana Barbachan competem no Sul-americano da classe olímpica 470, em Buenos Aires

Guilherme Plentz viaja para competir no Exterior!

O Carnaval mal terminou e já tem velejador do Janga viajando para representar o clube em competições internacionais importantes. Nesta segunda-feira (19), o atleta Guilherme Plentz embarcou para Paracas, no Peru, onde irá disputar dois campeonatos.

Entre os dias 24 e 28 de fevereiro, Guilherme disputará a seletiva para as Olimpíadas da Juventude, na classe BIC Techno 293. A classificatória pode garantir vaga para os jogos deste ano, que será realizado em outubro, em Buenos Aires.

“Eu estou viajando para tentar um bom resultado de BIC, mesmo que nunca tenha velejado na classe, tenho uma boa base da prancha. Acredito que posso ir bem, mesmo sem esperar muita coisa”, comentou Guilherme.

Sem muito tempo para descansar, o velejador já irá emendar outra competição, o Sul-Americano da classe RS:X, sua especialidade. O campeonato ocorre também em Paracas, entre os dias 1º e 5 de março. Recentemente o atleta foi campeão do 1º Brasileiro Interclubes da Juventude de Vela nesta categoria.

“No Sul-Americano tenho chance de ir muito bem, treinei bastante para isso. Já conheço o local, corri um Sul-Americano de Optimist lá, é um deserto, no meio do nada, mas com boas condições para velejar”, projetou.

Os gaúchos Alexandre Paradeda e Lucas Mazim são Campeões Brasileiros da Classe Snipe 2018

O gaúcho Xandi Paradeda levanta a taça pela segunda vez consecutiva e conquista seu 12º título no 69º Campeonato Brasileiro da Classe Snipe, encerrado neste domingo (27). O 1º lugar do Feminino é de Geórgia Rodrigues da Silva e Amanda Rodrigues Silva, também do Jangadeiros. O evento reuniu 120 atletas em Porto Alegre, de 20 a 27 de janeiro.
O equilíbrio marcou a 69ª edição do Campeonato Brasileiro da Classe Snipe, sediado pelo Clube dos Jangadeiros, em Porto Alegre. Após a realização de oito regatas, Alexandre Paradeda e Lucas Mazim, pratas da casa, conquistaram o título pelo segundo ano consecutivo. Aos 45 anos e depois de conquistar mais de 40 títulos nacionais e internacionais, Xandi levanta o seu 12º troféu Brasileiro de Snipe, a classe mais tradicional e de alta exigência técnica da vela mundial.
O último dia de competições iniciou com uma disputa entre os irmãos Xandi Paradeda e Beto Paradeda, líderes até o momento na classificação geral. Devido ao vento inconstante, foi realizada apenas uma regata na tarde deste sábado (27). Roberto Paradeda e Phillip Grochtmann terminaram a prova na oitava colocação, enquanto os líderes ficaram com o 14º lugar. A pontuação garantiu o título a Xandi e Lucas, por conta do descarte do pior resultado.

Jangadeiros desponta nas principais categorias

Além de dominar os dois primeiros lugares do pódio, o Clube dos Jangadeiros teve outras duplas entre os Top 10 da Geral. Tiago Britto e Antonio Rosa, Campeões Mundiais Júnior, conquistaram o 7º lugar. Enquanto Rodrigo Link Duarte e Salvatore Kraemer, que substituiu o atleta João Emílio Vasconcellos neste último dia, terminaram em 8º. O primeiro lugar Feminino também é do Jangadeiros com as irmãs Geórgia Rodrigues da Silva e Amanda Rodrigues Silva. Na categoria Júnior, Guilherme Perez conquistou o 3º lugar ao lado de Antonio Carlos Lopes, do Yacht Clube da Bahia, e Diego Falcetta e Luiz Eduardo Pejnovick, chegaram ao 5º. Com mais este título, o Clube dos Jangadeiros foi 27 vezes campeão brasileiro no Snipe, 12 deles conquistados por Xandi.
Alexandre Paradeda comentou a importância do título conquistado na sua terra natal e projetou os próximos desafios ao lado de Lucas Mazim: “Essa foi uma semana muito incrível para mim. Eu retornei ao Janga e a Porto Alegre. Encontrei a família e muitos amigos que não via há muito tempo, depois da mudança para Ilhabela. Foi um campeonato de alto nível, com 60 barcos e no final essa disputa particular com o meu irmão. Agora iremos nos preparar para a eliminatória do Pan no próximo ano. É o campeonato mais importante e onde vamos dar foco total”.
Vice-campeão brasileiro, Roberto Paradeda ficou apenas dois pontos atrás do irmão Xandi. “Foi um campeonato muito concorrido. Hoje foi um dia bem difícil, tivemos chances de ganhar, mas perdemos algumas posições no final. Acabamos em segundo lugar, que também é um resultado muito bom”, avaliou. Dupla de Xandi, Lucas Mazim exaltou o bicampeonato e a oportunidade de vencer um torneio tão importante, no clube onde começou a velejar.

“Estou muito feliz de conquistar mais uma vez o título Brasileiro da Classe Snipe, ao lado do Xandi, que sempre foi um ídolo para mim. A sensação de ganhar a competição em casa, com os amigos torcendo e no lugar que eu amo velejar, é uma satisfação imensa”, comemorou.
O 3º lugar na Geral ficou com a dupla Rafael Gagliotti e Henrique Wisnieski, do Iate Clube de Santos, que iniciou o campeonato liderando a Regata de Abertura e o primeiro dia do Brasileiro. O pódio foi completado com Mário Sérgio de Jesus Junior e Willian Moura, da Escola de Vela de Ilhabela, em 4º lugar e João Pedro Souto de Oliveira e Fernando Gioia, do Iate Clube do Rio de Janeiro/Marinha Brasil, em 5º.
Na categoria Gran Master, Mário Eugenio Tavares e Celeste Torres, do Clube Regatas Guanabara, conquistaram a medalha de ouro. Paulo Santos e Thiago Sanguineto, do Iate Clube do Rio de Janeiro, ficaram com a segunda colocação. Paulo foi homenageado com o Troféu Legend, pela sua história vitoriosa no Snipe. O angolano, de 74 anos, já foi cinco vezes campeão brasileiro, conquistou dois bronzes em mundiais, além de dois títulos europeus, entre outros troféus.
Na categoria Master, Ralph Rosa e Daniel Claro, do Yacht Clube da Bahia, levaram a melhor. Geórgia Rodrigues da Silva e Amanda Rodrigues Silva, do Clube dos Jangadeiros, chegaram na frente no Feminino.
Entre as duplas mistas, destaque para Juliana Duque, Campeã Mundial Feminino em 2016, e Rafael Martins, do Yacht Clube da Bahia. A dupla Felipe Rondina e Christian Shaw, do Iate Clube de Brasília, terminou com a primeira colocação do Júnior e levou para casa o troféu rotativo da categoria.
Durante a cerimônia de premiação, o comodoro Clube dos Jangadeiros, Manuel Ruttkay Pereira, relembrou e destacou a relevância do Snipe para a biografia do Janga: “Já sediamos vários campeonatos brasileiros da classe. A história do Jangadeiros caminha junto com a do Snipe. Devemos grande parte do que somos hoje à classe, não só no cenário da vela mundial, mas também como clube social”.
Classificação Geral:
1º. Lugar – Alexandre Paradeda / Lucas Mazim – Clube dos Jangadeiros
2º. Lugar – Roberto Paradeda / Phillip Grochtmann – Clube dos Jangadeiros/Veleiros do Sul
3º. Lugar – Rafael Gagliotti / Henrique Wisnieski – Iate Clube de Santos
4º. Lugar – Mário Sérgio de Jesus Junior / Willian Moura – Escola de Vela de Ilhabela
5º. Lugar – João Pedro Souto de Oliveira / Fernando Gioia – Iate Clube do Rio de Janeiro/Marinha Brasil
6º. Lugar – Bruno Bethlem / Rodrigo Lins – Iate Clube do Rio de Janeiro
7º. Lugar – Tiago Brito / Antonio Rosa – Clube dos Jangadeiros
8º. Lugar – Rodrigo Linck Duarte / Salvatore Kraemer – Clube dos Jangadeiros
9º. Lugar – Juliana Duque / Rafael Martins – Yacht Clube da Bahia
10º. Lugar – Felipe Rondina / Christian Shaw – Iate Clube Brasília

Classificação Master:
1º. Lugar – Ralph Rosa / Daniel Claro – Yacht Clube da Bahia
2º. Lugar – Adriano Santos / Christian Franzen – Veleiros do Sul
3º. Lugar – Kurt Juergen Diemer / Mateus Gonçalves – Clube Regatas Guanabara
4º. Lugar – Mário Eugenio Tavares / Celeste Torres – Clube Regatas Guanabara
5º. Lugar – Carlos Alberto Da Silva / Regis Fernando Da Silva – Veleiros do Sul

Classificação Gran Master:
1º. Lugar – Mário Eugenio Tavares / Celeste Torres / – Clube Regatas Guanabara
2º. Lugar – Paulo Santos – Thiago Sanguineto – Iate Clube do Rio de Janeiro

Classificação Legend:
1º. Lugar – Paulo Santos – Iate Clube do Rio de Janeiro

Categoria Feminino:
1º. Lugar – Geórgia Rodrigues Da Silva / Amanda Rodrigues Silva – Clube dos Jangadeiros
2º. Lugar – Caroline Boening / Lais Gliesch Silva – Veleiros do Sul

Categoria Júnior:
1º. Lugar – Felipe Rondina / Christian Shaw – Iate Clube Brasília
2º. Lugar – Matheus Oliveira / Rafael Carballo – Escola de Vela Ilhabela
3º. Lugar – Antonio Carlos Lopes / Guilherme Perez – Yacht Clube da Bahia/Clube dos Jangadeiros
4º. Lugar – Diego Falcetta / Luiz Eduardo Pejnovick – Clube dos Jangadeiros
5º. Lugar – Victor Lira / Joshua Tavares – Escola de Vela Ilhabela

Categoria Misto:
1º. Lugar – Juliana Duque / Rafael Martins – Yacht Clube da Bahia
2º. Lugar – Luciano Pesci / Barbara Brotons – Club Náutico Córdoba

Emilio Strassburger e Márcio Lima são campeões da classe RGS Geral no 29º Circuito Oceânico da Ilha de Santa Catarina

Nesta 29ª edição, uma das mais competitivas da história do campeonato realizado na Sede Oceânica do Iate Clube de Santa Catarina, em Jurerê, o comandante do barco Caulimaran e sua tripulação, Emilio Strassburger, foi o grande vencedor na classe RGS Geral, contabilizando cinco vitórias em seis regatas.

O segundo lugar também foi conquistado pelo Clube, pelo comandante Márcio Lima, do Maná. Considerada a principal competição de vela oceânica do sul do Brasil, o evento reuniu de 1º de fevereiro até este último domingo (4) cerca de 250 tripulantes de 35 embarcações nas classes ORC, C30, IRC, RGS, RGS Cruzeiro, HPE-25, Bico de Proa e Multicascos.

Como tem acontecido nos últimos anos, o Circuito Oceânico definiu seus campeões apenas nos últimos instantes com regatas acirradas de muito equilíbrio entre as tripulações. Após quatro dias, Caulimaran (RGS), Mahalo (IRC), Ângela Star VI (ORC), Força 12 (HPE-25), Harmonya (Bico de Proa A), Caos Calmo (Bico de Proa B), Astral (RGS Cruzeiro) e Tico Tyko (Multicasco) levaram os títulos da competição definida neste domingo com uma regata para todas as classes. O vento virou para sudeste com um pouco menos de intensidade com relação ao sábado, mas ao longo da tarde chegou aos 22 nós terminando o dia próximo dos 15. Com condições de vento forte, as tripulações deram o máximo de si, pois seria na última regata que seriam definidos os campeões.

Confira o resultado: http://icsc.com.br/wp-conte…/uploads/…/02/SUmula-geral-a.pdf

“Tivemos uma condição especial quinta e sexta-feira, ideal para o nosso barco. Fizemos o contorno da ponta norte da Ilha e o contorno da Ilha Mata Fome. Ali vimos que a viagem valeu, porque o lugar é lindo e as condições são muito boas de navegar. No terceiro dia, tivemos um vento forte, não muito bom para o nosso barco, mas nossa tripulação é valente e conseguimos encarar e conquistamos o campeonato por antecipação. No domingo corremos a última regata e fechamos com chave de ouro, tirando o primeiro lugar também na última regata.

Agradecimentos à nossa tripulação em meu nome e do meu irmão Carlos, parceiro de todas as empreitadas. Meu sobrinho Kevin Strassburger estreou na proa. E todos fomos bem orientados por dois tripulantes muito experientes, Fernando Toddi e Nando Cavalli. Também agradeço o incentivo do Janga e em especial do Sorriso. Foi ele quem avisou que o evento iria acontecer. Outro que nos incentivou e orientou bastante foi o Xiquinho”.

EMILIO STRASSBURGER, campeão na categoria RGS Geral

“Convidei meus amigos do Clube e a tripulação foi a seguinte: Eu, Márcio Lima, Pedro Lima, meu filho, como tripulante mirim. Ele tem 10 anos e fez a primeira travessia oceânica. Hilton Piccolo, Fabio Pillar, Airton Schneider, Fabio Santarosa, Ramon Tarrago, Andrea Schaeffer e Juliana Bain. Junto também velejou um amigo meu que mora na Holanda, Marcelo Azevedo. O mais legal é que nós perdemos para um barco do Jangadeiros também. O clima de confraternização em Santa Catarina foi muito bom, o clube deu um show na parte de receptividade e as regatas foram muito bem feitas e as raias bem montadas.

O mais bacana de tudo é que éramos todos do Jangadeiros e velejamos muito bem. O nosso barco é difícil, ele é de cruzeiro, mas podemos dizer que a tripulação do Maná deu um show nas manobras mesmo com vento forte. Poucos já tinham velejados juntos e conseguimos navegar sem grandes erros, com a ajuda do Fábio nas táticas das regatas, o que faz uma diferença incrível, principalmente nas largadas. Ficamos todos muito felizes”

MÁRCIO LIMA, 2º lugar na classe RGS Geral

• Assessoria do Jangadeiros com o site do Iate Clube de Santa Catarina
• Crédito das fotos: Iate Clube de Santa Catarina

Batizado no 69º Brasileiro de Snipe!

Alegria e compromisso com a Classe

Os atletas que velejam primeira vez em um campeonato nacional não escapam do batizado. É um momento de brincadeiras, mas também de responsabilidade de representar bem o Snipe, uma das classes mais difíceis pela alta exigência técnica e de maior número de praticantes no País.

Neste Brasileiro, que foi sediado pelo Janga pela sexta vez, mais de 20 atletas foram batizados. “Esta tradição acontece há mais de 50 anos”, diz Cuca Sodré, presidente da Comissão de Regatas nesta edição do evento que reuniu em janeiro cerca de 120 atletas de diferentes estados.

Vencedores na Regata de Abertura, dupla de Santos termina terça-feira (23) na liderança do 69° Campeonato Brasileiro da Classe Snipe

Na tarde desta terça-feira (23) começaram as regatas de pontuação do 69° Campeonato Brasileiro da Classe Snipe, no Clube dos Jangadeiros, em Porto Alegre. Depois de conquistarem a Regata de Abertura, mais uma vez o destaque do dia foi a dupla Rafael Gagliotti e Henrique Wisniewiski, do Iate Clube de Santos, que está na primeira posição geral.

Mesmo após o bom início no Brasileiro, Rafael Gagliotti mantém a cautela quando comenta a disputa pelo título: “o campeonato só termina quando acaba. Temos que nos concentrar, mesmo indo muito bem hoje. Faltam muitas regatas e só com um descarte, ainda tem chance para todo mundo. Mesmo quem está mal, tem possibilidades de terminar muito bem”.

A primeira prova foi marcada pelo adiamento da largada em três oportunidades, devido a mudança constante na direção do vento. Na quarta tentativa, às 15h30, os 120 atletas inscritos iniciaram a competição. Nesta disputa, Felipe Rondina e Cristian Shaw levaram a melhor, com Rafael Gagliotti e Henrique Wisniewiski chegando logo atrás.

Na regata subsequente, os vencedores foram João Pedro Souto de Oliveira e Fernando Tovar, novamente com Rafael Gagliotti e Henrique Wisniewiski terminando na segunda posição.

Os atuais campeões e velejadores da casa, Alexandre Paradeda e Lucas Mazin, finalizaram o dia com o terceiro lugar geral.

Os barcos voltam para a água do Guaíba nesta quarta-feira, às 14h. Serão disputadas duas regatas por dia, até sábado (27), data da premiação do evento.

Confira os três primeiros colocados na classificação geral:

1° – Rafael Gagliotti e Henrique Wisniewiski

2° – João Pedro Souto de Oliveira e Fernando Tovar

3° – Alexandre Paradeda e Lucas Mazin

 

Cerimônia de abertura e premiação da Regata de Abertura:

 

Primeiro dia de regatas, terça-feira (23):

As melhores do mundo: Fernanda Oliveira e Ana Barbachan conquistam o 4º lugar feminino do Norte-Americano da classe 470 em Miami

RESULTADOS: https://goo.gl/XDLuLZ

A nossa dupla olímpica Fernanda Oliveira e Ana Barbachan estreou muito bem nas competições internacionais de 2018. Faltou pouco para elas subirem ao pódio. De oito regatas disputadas entre as melhores do mundo na categoria Feminino, a meninas venceram três no Campeonato Norte-Americano da classe 470 em Miami, no Coconut Grove Sailing Club. A competição de três dias encerrou nesta segunda-feira (15).

“Competiram 30 barcos no Feminino, foi um campeonato bem difícil, mas ficamos muito felizes com esse recomeço no cenário internacional. Conseguimos ganhar três regatas das oito e ficamos bem contentes. As duplas mais fortes do circuito mundial estavam presentes. Foi um resultado bem positivo. Ficamos bem animadas. Hoje é a nossa folga e depois retomamos os treinamentos, pois na próxima terça-feira começa a etapa da Copa do Mundo também aqui em Miami”, diz Fernanda Oliveira.

SOBRE A CLASSE 470

A 470 é uma classe olímpica de vela, disputada em provas femininas e masculinas. O nome deve-se ao comprimento da embarcação, que é de 470 cm. O 470 é uma embarcação oficial das competições de vela desde 1969. Nos Jogos de 1976 em Montreal passou a ser uma classe olímpica. Inicialmente, era uma classe aberta a ambos os sexos. Desde os Jogos de Seoul (1988) que a competição é feita em eventos separados de mulheres e homens. O 470 foi o primeiro evento olímpico de vela para mulheres.

Crédito: Matias Capizzano

Vem aí o 69º Campeonato Brasileiro de Snipe

Caio Pantoja, novo capitão da Flotilha, está coordenando a programação. Estão sendo esperados a participação de cerca de 120 velejadores de diferentes regiões do País

Saiba mais no Aviso de Regata: https://goo.gl/fWHb9Q

Depois de sediar grandes campeonatos nacionais e de conquistar o título brasileiro em 2017 com Alexandre Paradeda e Lucas Mazim, em Ilha Bela (SP), o Janga volta a ser o centro da vela nacional de 20 a 27 de janeiro. A competição promete reunir cerca de 60 barcos. Só do Jangadeiros, já estão inscritos 10 embarcações.

Em 2017, depois de cinco dias e nove regatas em Ilhabela, o Brasileiro da classe teve uma disputa acirradíssima. Xandi trouxe para casa a sua 11ª medalha ouro, com apenas um ponto de vantagem sobre Bruno Bethlem e Dante Bianchi, segundos maiores campeões brasileiros da história da classe com nove títulos.

“Temos expectativa que seja um campeonato tranquilo, de confraternização da classe. Por ser em casa nos favorece, então a equipe está bem animada. Também queremos que este campeonato sirva para divulgar o Sul-americano de Snipe também aqui no Janga, em março. Neste ano, queremos fazer mais eventos e trazer mais atletas para o Snipe. Quero ajudar também na parte administrativa, estabelecer metas e planejar”

Caio Pantoja
Capitão da Flotilha de Snipe do Jangadeiros

Nesta segunda-feira iniciou o Curso de Optimist de Verão na Escola de Vela Barra Limpa

Uma excelente oportunidade para ocupar seu filho nas suas férias em um belíssimo espaço e com um aprendizado que estimula o amor à natureza, o companheirismo e a responsabilidade.

A capacitação é para crianças a partir de sete anos e tem foco na recreação e nas primeiras noções de velejadas de forma bem divertida e  lúdica.

Aulas de segunda-feira à sexta-feira, das 14h às 18h.  A próxima turma inicia na segunda (15). O investimento é de R$ 100 para sócios e R$ 130 para não sócios.

Ligue para (51) 3094-5770 ou escoladevela@jangadeiros.com.br

  • A Escola de Vela Barra Limpa é uma das mais completas instituições náuticas do Brasil, com mais de 40 anos de história.