Posts

Duplas do Jangadeiros estão entre as TOP 15 da América do Sul no Snipe

Tiago Brito e Antonio Rosa terminaram em 6º e Gabriel Kieling e Lucas Mazim em 13º no Sul-Americano de San Isidro, Argentina

Mais uma vez, o Snipe voltou a dar alegrias ao Clube dos Jangadeiros. Tradicional classe no Clube, com mais de 60 anos de glórias nas águas, ela foi muito bem representada pelos jovens das duplas formadas por Tiago Brito e Antonio Rosa e por Gabriel Kieling e Lucas Mazim. Em San Isidro, Argentina, Tiago e Totó voltaram com o sexto lugar para casa e Bolinha e Sorriso com o 13º entre 41 participantes.

Nossos atletas enfrentaram condições bastante similares às encontradas no Guaíba: água barrenta, onda quicada e variação constate de direção e intensidade no vento. Correndo em casa, os atuais vice-campeões mundiais da classe, Luis Soubie e Diego Lipszyc subiram ao lugar mais alto do pódio. Mas os gaúchos sempre estiveram próximos aos hermanos.

”Saímos muito satisfeitos com o resultado no geral. O sexto lugar diz muito que estamos no caminho certo. Estávamos bem rápidos em todas as condições, o que foi nossa principal arma! Tivemos bastante velocidade e fizemos boas escolhas táticas ao longo do campeonato. Esta é a primeira vez que corro com o Totó e a ideia é continuar com a parceria. Somos muito amigos e conseguimos uma dupla bastante competitiva”, disse Tiago Brito.

Agora, as atenções se voltam para o Mundial de La Corunha – Espanha, que acontece em agosto. Juntam-se ao time do Jangadeiros nessa disputa, o multicampeão Alexandre Paradeda e Átila Pellin. 

Gabriel Kieling e Lucas Mazim são a 13ª melhor dupla da América do Sul no Snipe

Gabriel Kieling e Lucas Mazim são a 13ª melhor dupla da América do Sul no Snipe

Tiago Brito e Antonio Rosa estão em segundo lugar no Campeonato Sul-Americano de Snipe

Dupla soma 4 pontos perdidos após primeiro dia de regatas

Tiago Brito fez valer todo o seu conhecimento da raia em San Isidro para, ao lado de Antonio Rosa, o Totó, fazer um belo primeiro dia de competição na Argentina. A dupla do Jangadeiros andou muito bem e conseguiu dois segundos lugares nas regatas do dia de estreia.

“A raia daqui é bem parecida com a do Guaíba. A onda quicada, com diferentes condições de vento, até a água é barrenta”, comentou Brito antes do início da competição.

Os gaúchos só ficaram atrás dos argentinos Luis Soubie e Diego Lipszyc, que venceram as duas provas dessa quarta-feira. Gabriel Kieling, o Bolinha e Lucas Mazim, o Sorriso, a outra dupla do CDJ no Sul-Americano, terminaram o dia em 22º no geral, entre 41 embarcações.

O Campeonato Sul-Americano de Snipe segue até sábado, dia 15. A Comissão de Regata prevê a realização de até 9 provas.

 

Bons ventos, velejadores! Em busca do oitavo título Sul-Americano de Snipe

As duplas de Gabriel Kieling e Lucas Mazim e de Tiago Brito e Antonio Rosa representarão as cores do CDJ de 8 a 15 de abril, em San Isidro, Argentina.

O Snipe é uma das classes que mais trouxe títulos ao Clube dos Jangadeiros. São dois Mundiais, dois Pan-Americanos, sete sul-americanos e 28 brasileiros. E, a partir deste sábado, nossos atletas vão em busca de mais uma conquista.

Competindo contra os melhores velejadores da América Latina, o CDJ contará com duas duplas na Argentina. Gabriel Kieling, o Bolinha, dividirá o barco com Lucas Mazim, o Sorriso.

Os dois têm no currículo três títulos brasileiros de Snipe, todos conseguidos ao lado de Alexandre Paradeda como timoneiro. Sorriso, inclusive, é o atual campeão nacional da classe em campeonato disputado em Ilhabela – SP em janeiro.

A outra dupla é composta por Tiago Brito e Antonio Rosa, o Totó. Membros da nova geração vela brasileira, os dois contam com o entrosamento de longa data para fazerem bonito no Sul-Americano.

Gabriel Kieling

“Sabemos da dificuldade de competir na Argentina, que é um lugar onde o Snipe é muito forte e tem ótimos velejadores. Mas eu e o Sorriso nos conhecemos bastante e vamos procurar dar o máximo neste Sul-Americano. O campeonato também servirá como um teste para o Mundial de La Corunha, na Espanha, em agosto, o qual eu vou correr com o Átila Pellin e o Sorriso com o Xandi”.

 

Lucas Mazim

“Possuímos o entrosamento de já termos competindo em outros dois Sul-Americanos e um Brasileiro juntos. Mas, de lá para cá, creio que nós dois evoluímos bastante. Nesse tempo que velejei com o Xandi eu aprendi a simplificar muito mais as coisas. Antes, eu costumava a querer mexer na regulagem do barco toda hora e não precisa ser assim. Além disso, deixo as decisões mais táticas para o timoneiro”.

 

Tiago Brito

“Conheço bem a raia, corri alguns campeonatos lá. Ela é bem parecida com a do Guaíba, onda quicada, com diferentes condições de vento, até a água é barrenta, essas semelhanças podem nos ajudar. Fora isso, eu e o Totó estamos treinando bastante toque e manobra para nos adaptarmos cada vez mais ao barco”.

 

 

Antonio Rosa

“Nos últimos 15 dias, estivemos quase todos na água praticando. Acredito que estamos com um bom ritmo de regata e entrosados para competir de igual para igual com os adversários. Vamos com tudo!”.