Posts

2º Descobrindo a Vela no Jangadeiros reúne mais de 120 crianças

Presença dos campeões olímpicos Robert Scheidt, Martine Grael e Kahena Kunze foi atração deste ano

Pelo segundo ano consecutivo, o Clube dos Jangadeiros abriu as portas para receber a comunidade no Descobrindo a Vela. Iniciativa construída e idealizada pelo Diretor da Escola de Vela Barra Limpa, Alexandre Paradeda, em conjunto com a comodoria do CDJ, tem como objetivo apresentar a jovens de 7 a 14 anos o maravilhoso mundo dos esportes náuticos através de uma velejada gratuita pelo Guaíba. Em sistema de rodízio, os pequenos se revesaram nos barcos, dando oportunidade de todos sentirem o gostinho de navegar.

Em 2017, a novidade é que os pais puderam acompanhar seus filhos de perto durante o trajeto. Eduardo Marquetti, pai da Beatriz e da Luisa acredita que as filhas tenham aproveitado a experiência. “Tudo o que é novidade, apresenta desafios, é válido. É o primeiro contato delas mais próximo com os barcos e achei muito positivo e creio que vai acrescentar bastante na vida delas, quem sabe elas não seguem navegando?”, conta Marquetti.

Jaime Pehls, pai do Guilherme, gostou tanto da velejada que pretende se associar no Jangadeiros. “Foi tudo de bom! O Guilherme adorou! Vamos até comprar um título aqui no Clube”, adianta Pehls.

Após o passeio de barco e o lanche com cachorro-quente e refrigerante, as famílias participaram de um bate-papo com os atletas olímpicos, Robert Scheidt, Martine Grael e Kahena Kunze. Uma oportunidade única de ver de perto o maior medalhista brasileiro e as únicas mulheres a vencerem uma Olimpíada.

Entre uma resposta e outra, o multicampeão Robert Scheidt deu um conselho a quem está iniciando no esporte. ” A criança que vai velejar não tem que ter o intuito de virar um campeão, mas de ter prazer naquilo e viver em um ambiente saudável para, aos poucos, criar o instinto competitivo. Mas isso é até secundário. O principal é você aprender um esporte novo e maravilhoso como é a vela”.

Um momento que causou bastante movimentação no interior da Escola de Vela Barra Limpa, foi quando Martine anunciou que Kahena havia trazido a medalha de ouro olímpica. Foi só a campeã mostrar o objeto dourado para que  os jovens pedissem para tocar e tirar fotos com ele.

Satisfeito com o resultado do evento, Xandi agradeceu a participação dos atletas olímpicos e enalteceu os benefícios que a vela podre trazer aos jovens. “Fico feliz que conseguimos atingir mais jovens que no ano passado e assim mostrar o nosso esporte para um maior número de pessoas. Tenho certeza que a presença do Robert Scheidt, da Martine Grael e da Kahena Kunze colaborou e muito para esta presença em peso e por isso só tenho a agradecer a esses campeões. A vela é uma modalidade que pode vir a ter uma importância muito grande na educação de uma criança, transmitindo valores como: poder de decisão, respeito e cuidado com a natureza e responsabilidade com teu próprio barco. Além disso, é uma oportunidade de acabar com o tempo ocioso do jovem, que, hoje em dia, é um grande perigo da nossa sociedade”, finaliza Xandi.

Luíza Demoliner com a medalha de ouro

Luíza Demoliner com a medalha de ouro

Em entrevista, Robert Scheidt fala sobre os desafios de competir na 49er e deixa recado para os mais jovens

A partir das 19h de hoje (5), inicia a Copa Brasil de Vela. Mas enquanto os barcos não vão para a água, aproveitamos para falar com o medalhista olímpico Robert Scheidt. Durante a entrevista, minutos antes do treino, ele falou sobre a expectativa de começar em uma nova classe e da importância de preparar as futuras gerações olímpicas do Brasil.

Falando sobre o 2º Descobrindo a Vela no Jangadeiros, evento realizado no Clube neste domingo, ele também relembrou o seu início no esporte. “A vela é um esporte em que você interage com os elementos da natureza e foi isso que sempre me atraiu quando eu era jovem e começava no Optimist. Eu gostava do simples fato de colocar o meu barco na água e usar a força do vento, interagir com o ambiente”.

Confira a entrevista completa a seguir.

Como está sendo esse desafio de competir na 49er depois de tanto tempo no Laser?

É bem motivador! Eu que sempre velejei em barcos lentos, que possuem uma tática diferente, agora inicio em um extremamente rápido, com três velas e proeiro, que requer muita agilidade. É uma mudança grande, mas estou gostando muito. Tenho a sensação de que me completa como velejador aprender a competir em um barco assim. Ainda é cedo, eu velejei poucas vezes na 49er, então tenho muito o que melhorar, mas tenho um excelente proeiro, o Gabriel, com uma boa bagagem, o que ajuda muito. Estou bem feliz em estar aqui, em Porto Alegre, um lugar que sempre tive prazer em competir.

E o que tu podes nos dizer sobre essa raia aqui do Guaíba em que vais competir?

É uma raia muito dinâmica e, pelo Guaíba ser raso, há uma onda picada que dificulta bastante a condução do barco. O vento também é bom, mas você tem a chance de ter uma semana de vento fraco. Então, basicamente é preciso estar pronto para tudo aqui.

Até ontem tivemos o Brasileiro de 29er aqui no Jangadeiros, uma classe jovem que é como uma preparação para a 49er. Que recado você pode deixar para essa nova geração?

Eu acho que o 29er é um barco muito bom, especial para você ir ganhando experiência, já com proeiro e com balão assimétrico, em um esquife, que é o mesmo modelo do 49er. Então, começar cedo nesse barco já é um grande passo. Espero que a gente estimule cada vez mais essa classe, que precisa crescer bastante para depois termos esses velejadores migrando para a 49er, que aí o sonho olímpico começa a ser despertado.

Hoje tivemos o Descobrindo a Vela, que abriu as portas do Jangadeiros para os pequenos. O que a vela pode trazer para essas crianças?

Acho que é essa a mensagem: a criança que vai velejar não tem que ter o intuito de virar um campeão, mas de ter prazer naquilo e viver em um ambiente saudável para, aos poucos, criar o instinto competitivo. Mas isso é até secundário. O principal é você aprender um esporte novo e maravilhoso como é a vela.