Posts

O multicampeão Xandi Paradeda

Naquela época não existia treinador, então os pais e tios tinham um trabalho fundamental na formação. Este exemplo segue até hoje, os mais velhos ajudando os mais novos. Eu aprendi muito com os caras da geração anterior

Ao longo de sua história, o Clube dos Jangadeiros já formou vários campeões nacionais, sul-americanos e mundiais em diversas classes da vela. Contudo, um nome chama a atenção e se destaca: Alexandre Paradeda, maior vencedor da história em campeonatos nacionais de Snipe.

Na última semana, Xandi esteve no Janga para a disputa do 69° Campeonato Brasileiro da Classe Snipe, e mais uma vez, conquistou o título de campeão. Foi o segundo ano consecutivo que o velejador, ao lado de Lucas Mazim, venceu a principal competição do país na classe, alcançando impressionantes 12 títulos do torneio. Além disso, o atleta conta com mais de 40 troféus nacionais e internacionais, como duas medalhas Pan-Americanas e o ouro no Mundial de Snipe, em 2001.

“O Snipe é uma classe muito forte na América Latina. No Brasil é um barco acessível, é relativamente barato, em comparação as classes olimpicas. Para quem está em formação é ideal, pois compete em alto nível em um barco muito tático. E dentro do Janga, a história do clube se mistura com a história da classe. O Janga fez o Mundial de 59, foram os primeiros títulos, a construção da Ilha, tudo se mistura ao Snipe. Se tem uma classe de vela que representa o Jangadeiros é o Snipe”, comentou o multicampeão.

A história de Xandi na vela se mistura com sua passagem dentro do Jangadeiros. Muito jovem, com 10 anos, o atleta já começava a aprender os primeiros ensinamentos do esporte na sede do Clube, auxiliado por familiares e amigos mais experientes.

“Eu sou a segunda geração de uma família tradicional. Já nasci aqui dentro, comecei a velejar no Optimist. Naquela época não existia treinador, então os pais e tios tinham um trabalho fundamental na formação. Este exemplo segue até hoje, os mais velhos ajudando os mais novos, é uma tradição aqui de Porto Alegre, eu aprendi muito com os caras da geração anterior.

Isto era um ensinamento, tu ajudar os outros e depois decidir o título na água. O que fizeram por mim, eu fiz pelos mais novos e eles vão fazer pelos próximos. É uma cultura do Janga, é por isso que saem velejadores tão fortes daqui”, contou.

Hoje, aos 45 anos, Xandi segue a tradição da família com sua filha Melissa, de 10 anos. Mel veleja desde os 6 anos de idade e já conquistou resultados expressivos, como o 2º lugar Mirim Feminino no 46º Brasileiro de Optimist, realizado no Yach Clube da Bahia. Melissa aproveita as dicas do pai para aprender mais sobre a vela: “É bom ter o meu pai ensinando, ele me ajuda bastante. Eu gosto muito do Janga, mas agora vamos morar em outra cidade, em Ilhabela. Não é a mesma coisa, gosto mais daqui.”

Melissa

Melissa Paradeda continua a tradição da família na vela!

Mesmo que tenha fortes raizes com o Jangadeiros, Alexandre Paradeda busca novos desafios na carreira e na vida pessoal, por isso, o multicampeão aceitou uma mudança, morar em Ilhabela, em São Paulo.

“Foi uma proposta profissional boa, para fazer algo que gosto muito, ligado a formação na vela de competição. Lá também tem um projeto social, é um lugar onde posso fazer a diferença na vida dos caras. Isso te gratifica, pesou muito. É um ótimo lugar também para criar as minhas filhas pequenas”, avaliou.

Depois de mais uma campanha vitoriosa no Brasileiro da Classe Snipe, Xandi iniciará a sua preparação para a eliminatória do Pan-Americano de 2019, em Lima, no Peru. “É o campeonato mais importante e onde vamos dar foco total”, salientou.

Xandi Paradeda e Bolinha largam na liderança em Florianópolis

Os velejadores da Flotilha 426 estrearam muito bem no 65º Campeonato Brasileiro da classe Snipe, que acontece em Florianópolis, Santa Catarina, entre 3 e 7 de fevereiro. No primeiro dia de provas da competição, Alexandre Paradeda e Gabriel Kieling (foto) venceram as duas regatas disputadas e lideram com três pontos de vantagem sobre os baianos Matheus Tavares e Jonathan Lehrke, do Yatch Clube da Bahia. Em terceiro lugar, mais uma tripulação gaúcha: Roberto Paradeda (irmão mais novo de Alexandre) e Antonio Rosa. A dupla representa o Jangadeiros e o Veleiros do Sul.

Organizado pelo Iate Clube de Santa Catarina – Veleiros da Ilha, o 65º Brasileiro de Snipe reúne mais de 120 competidores, distribuídos em 61 tripulações. Os velejadores representam clubes náuticos de sete estados brasileiros, do Distrito Federal e ainda Argentina, Peru e Bélgica. Competem pelo Jangadeiros: Alexandre Paradeda/Gabriel Kieling, Hilton Piccolo/Bruno Gauer, Fernando Kessler/Vicente Ducati, Lucas Mazim/Philipp Grochtmann, Martin Rump/Rodolfo Streibel, Rodrigo Fasolo/Guilherme Fasolo e Roberto Paradeda/Antonio Cavalcanti. Veja como está o desempenho das nossas duplas:

01º Alexandre Paradeda/Gabriel Kieling (1, 1 – 2 pp)
03º Roberto Paradeda/Antonio Cavalcanti (5, 2 – 7 pp)
31º Fernando Kessler/Vicente Ducati (22, 37 – 59 pp)
33º Lucas Mazim/Philipp Grochtmann (25, 36 – 61 pp)
39º Hilton Piccolo/Bruno Gauer (37, 38 – 75 pp)
40º Martin Rump/Rodolfo Streibel (46, 33 – 79 pp)
50º Rodrigo Fasolo/Guilherme Fasolo (47, 53 – 100 pp)
.
Foto: Fred Hoffmann/Arquivo.