NELSON

Sócio em foco: Nelson Piccolo

Foi com um inusitado caiaque a vela que o menino Nelson Piccolo tentou velejar pela primeira vez. “Na época, a gente chamava o barco de rema-rema. Chegou a hora de reformar o barco e fizemos uma vela com um lençol. A favor do vento, até que funcionava, mas a gente tinha de remar de volta”, conta, entre risadas, o primeiro campeão mundial entre os esportistas do Rio Grande do Sul.

O título, obtido em 1967 na classe Snipe, foi o maior feito, mas não o único na carreira de Piccolo, um dos mais antigos sócios do Clube Jangadeiros. “Virei sócio há 67 anos. O clube só existia há nove”. Com uma memória prodigiosa, recorda detalhes de regatas pelo mundo e de uma paixão por barcos que começou aos dez anos. “Era muita brincadeira. Não tinha nem roupa de borracha. Hoje as pessoas entram na escolinha. Conosco, os mais velhos ensinavam aos mais jovem como o barco funcionava, aí a gente ia de proeiro por um tempo até assumir o timão”.

Aos 13 anos, no entanto, o adolescente já competia contra os adultos e, para surpresa geral, logo aos 15, em 1955, foi, junto com Gabriel Gonzales, seu primeiro parceiro, Campeão Brasileiro em Natal (RN). A dupla repetiu o título no ano seguinte e também em 1958, 1959 e 1960.

Em 1959, Piccolo e Gonzales chegaram a vencer uma regata no primeiro Mundial da Classe Snipe, que reuniu equipes de 16 países em Porto Alegre, mas Gabriel sofreu uma lesão e o parceiro, competindo junto com Waldemar Bier, acabou na 11ª posição – a dupla campeã foi os dinamarqueses Paul Elvstrom e Erik Johansen.

Desfile em carro de bombeiros, primeiros campeões gaúchos

Ao se formar em Medicina, em 1961, Gonzalez decidiu se dedicar à nova carreira e se mudou para o Rio de Janeiro. Mas Piccolo prosseguiu e formou uma nova dupla com Carlos Henrique De Lorenzi. Começava o seu auge. Em 1967, os dois foram campeões dos Jogos Pan-Americanos, em Winnipeg, no Canadá, e campeões mundiais, em Nassau, nas Bahamas. “Foi um acontecimento. Na volta, desfilamos em carro dos bombeiros, pois fomos os primeiros campeões mundiais gaúchos”.

A dupla Piccolo/ De Lorenzi ainda disputaria mais um Mundial, em Luanda, Angola, ficando em quinto lugar, antes de ser desfeita. Depois do título mundial, Piccolo disputou competições em outras categorias, acumulando prêmios na Finn, Hobie Cat 14, na qual foi oito vezes campeão brasileiro entre 1972 e 1982, Hobie Cat 16, Supercat 17 e em barcos de Oceano. Ainda que tenha deixado as competições nos anos 80, não deixou de lado os barcos. Já foi homenageado com várias regatas e, ainda frequentador do clube, não deixa de velejar: “Dou minhas navegadas”.

A esta altura, ele já desenhava e criava desde 1961 as próprias velas: “Eu não estava muito satisfeito com o rendimento das velas que usava, então passei a fazer as minhas”. Só existiam no Brasil velas de algodão egípcio e Piccolo começou na casa dos pais a confeccioná-las no tecido importado Dacron (produto da DuPont), sendo um pioneiro no uso de poliéster no Brasil.

Do uso particular, o negócio evoluiu para uma veleria completa. Instalada no tranqüilo bairro residencial de Vila Conceição, na Zona Sul de Porto Alegre, a Nelson Piccolo Sails está completando 50 anos. Era administrada em parceria com a mulher, Dircinha Piccolo, falecida em 2016. A empresa chegou a exportar as velas da classe Snipe. Na época, o velejador ainda participava de campeonatos e as vitórias serviam de propaganda dentro e fora do Brasil.

Ainda hoje ter uma vela Piccolo é considerado sinal de prestígio entre velejadores. As solicitações dos clientes passaram a exigir outros produtos e o negócio evoluiu fabricando capas, lonas e comercializando todos tipos de acessórios náuticos. A empresa hoje tem a participação dos dois filhos do velejador: Daniela Piccolo é responsável pela administração enquanto seu irmão, Nelson Piccolo Filho, é o “sailmaker” (fabricante de velas).

As primeiras velas de poliéster foram fabricadas pela marca Piccolo

Nelson Piccolo (à esquerda) e Gabriel Gonzales (ao centro), venceram
o 1º Campeonato Brasileiro de Snipe, em 1955, Natal

A marca Piccolo Sails tem tradição de cinco décadas